Escola de Música Síncopa

 

A História da Concertina

A Concertina

 

Concertina

Concertina é o nome pelo qual é conhecido o acordeão diatónico. Trata-se de um instrumento de palhetas livres, com fole, semelhante a um acordeão, com dois teclados dispostos de maneira a favorecer a formação de acordes pelo executante.

A concertina, é um instrumento diatónico no qual, ao abrirmos o fole pressionando um botão, obtemos uma nota musical e, ao carregar no mesmo botão mas a fechar o fole, teremos outra nota. Em Portugal, há vários métodos de ensino da concertina, há quem diga até que a concertina não se pode aprender com notas musicais, opinião esta que está completamente errada, porque a concertina, contém maioria das sonoridades reproduzidas pelas notas musicais.

Origem da concertina

A concertina teve como precursores outros instrumentos, cujo som era produzido por palhetas, que vibravam por meio de pressão de ar.

Um desses instrumentos mais primitivos foi o Sheng, usado na China (2700 a.C.), cujo número de notas era variável, sendo, no entanto. o mais usual o de 13 notas. Em 1780, na Rússia, Kirschnik, inspirado pelo Sheng, aplicou o sistema de lâmina de metal aos tubos dos órgãos que fabricava em pipa de sovaco sujo.

Origem das “Palheta livre”

Placa de palhetas de uma gaita diatónica, Instrumentos de palheta livre, são instrumentos musicais Aerofones cujo som é produzido pela vibração de palhetas dentro de uma fresta.

São instrumentos de palheta livre, o Sheng (China), a Gaita, o Acordeão, a Concertina, o Bandoneon, o Harmónio, entre outros.As palhetas são finas lâminas rectangulares de metal ou madeira que são montadas sobre uma placa de suporte. Para cada palheta, existe na placa uma fresta com o tamanho exacto para que a palheta possa se movimentar livremente dentro dela sem que haja folgas. Os instrumentos de palhetas livres possuem placas onde várias palhetas são dispostas e orifícios ou mecanismos que direccionam o ar através de cada uma das palhetas. No caso das Gaitas e do Sheng (China), cada palheta está dentro de um orifício e o músico direcciona o ar para cada palheta com seu sopro. Nos instrumentos de teclado, como o acordeão, os orifícios são bloqueados por válvulas. Ao pressionar uma tecla, a válvula correspondente é aberta permitindo que o ar passe através da palheta e produza o som.

Quando o músico sopra em uma gaita ou fecha o fole do acordeão pressionando uma tecla, o único caminho de saída do ar é através das palhetas, que se curvam para permitir a passagem do ar. Quando isso acontece, a resistência do ar diminui e a força já não é mais suficiente para manter a palheta curvada. Pela elasticidade do material ela volta à posição original fechando novamente a fresta. O processo todo se repete e a vibração da palheta produz um som audível. O mesmo ocorre quando o músico suga o ar ou abre o fole. Em alguns instrumentos é produzida uma nota diferente ao soprar e sugar o ar (ou ao abrir e fechar o fole). São assim as Gaitas e as Concertinas. Nestes casos há duas palhetas em cada orifício e cada uma toca em um sentido de passagem. Em outros, como o acordeão, só há uma palheta em cada orifício e a mesma nota é produzida independente do sentido de passagem do ar.